Reciclanda

Reciclanda

O projeto Reciclanda (“o que deve ser reciclado”; “anda reciclar”) é um projeto solidário, cooperativo, inclusivo e amigo do ambiente.

Baseia-se na convicção de que:

  • a preservação do ambiente é uma questão fundamental para todos;
  • a reciclagem torna-se mais aliciante quando dela saem resultados lúdicos e artísticos;
  • há inúmeros pequenos instrumentos laváveis, seguros e fáceis de fazer com materiais reutilizados;
  • a cooperação entre professores, educadores, animadores, auxiliares, crianças, pais e comunidade em geral potencia resultados excelentes e mensuráveis;
  • os instrumentos musicais contribuem para o desenvolvimento global da criança, com ou sem necessidades especiais;
  • uma sábia reutilização musical é inclusiva;
  • a reciclagem é um fator de aproximação da família à escola e a outras instituições;
  • a reciclagem contribui para que as crianças comecem a cultivar a criatividade como forma de estar na vida e solucionar problemas;
  • artesanato e reutilização desafiam-se mutuamente e ajudam a criar novas soluções.

O projeto “Reciclanda” é uma ferramenta preciosa tanto para a capacitação de professores como para o enriquecimento das crianças. As oficinas de música com turmas funcionam também como capacitação dos docentes, aliados ao sítio de educação musical da Meloteca, a Lenga.

Reciclanda Pré

“Reciclanda Pré” consiste em residências artísticas Meloteca com aproximação entre a Meloteca e artesãos da terra procurando em conjunto soluções de reutilização musical e pedagógica para muitos objetos que têm como destino habitual o Ecoponto.

Instrumentos dos Pequenos

Ao longo de quase duas décadas fui reunindo pequenos instrumentos tradicionais e didáticos. Enquanto isso, ia fazendo instrumentos com objetos reutilizados para o meu trabalho com os alunos de Expressão Musical no 1º Ciclo, Atividades de Enriquecimento Curricular e Música Adaptada a crianças com multideficiência.

Desde 2022 tenho andado a trabalhar para projetos de Educação Musical da Porto Editora em Angola (cerca de 450 páginas) e Portugal (umas 50). Esses desafios levaram-me a fotografar os instrumentos que tinha feito de modo a ajudar crianças e colegas no sentido de uma reutilização fácil e eficaz na área da música.

Em 2024, achei que era altura de partilhar numerosos pequenos instrumentos que guardava no sótão. Previ oferecer um balde desses objetos sonoros aos colegas de Oficina da Música Adaptada ao serviço da Câmara Municipal de Gaia, às turmas da Pré-Escola do Agrupamento Diogo Macedo e às turmas do Centro Social de Sandim.

CAF (Componente de Apoio à Família) permitiu-me contactar pais e associações de pais. Os alunos e vários colegas entusiasmaram-se com a ideia de criar e oferecer instrumentos como forma de “Mudar o Mundo“, tornar o planeta sustentável e fazer felizes crianças em situação de maior dependência.

Algumas empresas de restauração passaram a ser fornecedoras de tampas e caricas que têm alimentado a criação de instrumentos do tipo chincalho e de jogos de memória.

Cumprido o plano de oferecer 65 baldes de pequenos instrumentos, com ofertas de várias turmas de escolas de Sandim, Arnelas, Seixo Alvo e Crestuma fiz cerca de 250 chincalhos que foram oferecidos a turmas dessas escolas.

Fiquei sem os baldes mas ganhei novos recursos e, sobretudo, adquiri técnicas originais que me tornam mais rico.

Numa das escolas, uma aluna soube que tem um problema oncológico, e nasceu a ideia de apoiar com música as crianças da freguesia com problemas semelhantes. A mãe da criança tornou-se uma colaboradora do projeto.

Aprofundando uma das vertentes que já vinha a trabalhar há anos, passei a criar não pequenos instrumentos musicais mas também objetos lúdicos que podem colocar turmas inteiras a jogar, com ou sem canção, tanto no inverno como no verão. Estes objetos estão na base de diversas dinâmicas. Algumas delas são utilizadas por empresas para criar espírito de equipa. Na escola, assumem uma componente de ensino/aprendizagem em forma de jogo.

Surgiu entretanto o convite para um evento destinado a crianças em Gaia. A manhã com crianças num aprazível parque privado motivou-me para reorganizar materiais e criar um pacote para divulgar o projeto junto de câmaras municipais cujos projetos educativos se preocupem com o ambiente.

João Almeida, colega de Educação Especial em Arnelas, desafiou-me a não deixar que o projeto se confine à freguesia ou ao concelho, lançando-me uma proposta para implementar o projeto num agrupamento de escolas da Área Metropolitana de Lisboa onde já trabalhou.

Tendo eu dado formação a mais de 1550 professores de Norte a Sul, e tendo em conta a importância da reutilização para a música e da música para a reutilização e educação ambiental, prevejo no próximo ano trabalhar com municípios no sentido de formar formadores que repliquem um projeto que é de música e educação com impacto social.

António José Ferreira

Pequeno instrumento feito de materiais reutilizados

Minhoca

Pequeno instrumento feito de materiais reutilizados

chincalho interior

Pequeno instrumento feito de materiais reutilizados

chincalho interior

Pequeno instrumento feito de materiais reutilizados

Bailarina de tampas

LISTA DE OBJETOS A RECOLHER

  • frascos de plástico, de leite achocolatado Pingo Doce, UCAL, e de fruta COMPAL essencial;
  • garrafões de lixívia;
  • cabos de vassoura gasta e paulitos;
  • garrafinhas de Água das pedras com limão ou outra, de plástico, com legendas fáceis de tirar;
  • latas de leite Nestlé NAN, com tampa, ou outras latas de leite em pó para lactentes;
  • paus e placas de madeira;
  • argolas de madeira ou plástico;
  • pegas de garrafão de água;
  • gargalos de garrafão de lixívia e de detergente;
  • chaves velhas ou inúteis;
  • rolhas de champanhe;
  • cascas de pistáchio;
  • sementes de couve, melão, anona e outras;
  • candeeiros em forma de sino;
  • saquetas e peúgas de criança;
  • sacos de rede fina;
  • botões;
  • contas e missangas;
  • tubos de plástico ou metal;
  • pequenos blocos de madeira;
  • canetas gastas;
  • tampas de Compal ou do género;
  • frasquinhos de néctar;
  • caixas de vinho, de madeira;
  • fios finos tipo pesca;
  • latas de sardinha e outras;
  • tubos corrugados;
  • tubos plásticos de eletricista;
  • copinhos de queijo fresco ondulados;
  • luvas de tecido;
  • babete de tecido;
  • tampas de amaciador da roupa.
Ferramentas a utilizar

O pirógrafo facilita imenso a tarefa de criar objetos sonoros de plástico reutilizado fazendo orifícios facilmente. Pirógrafo, serrote, berbequim, alicate, chave de fendas são outras ferramentas que alargam as possibilidades de reciclagem na área da música.

Contacte-nos para:

  • eventos lúdicos em torno de reutilização (infantis ou em família);
  • oficinas (formação de professores, educadores e animadores) em municípios e agrupamentos de escolas.

António José Ferreira: 962 942 759

Partilhe
Share on facebook
Facebook